segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Abstração em Sangue TXU número 17

“Eis que a alma exposta em febre
surge como um mar de sal e fezes
onde os sentidos se arrastam lassos
ao sabor insalubre de vagas perversas
- tresandam cruéis torvelinhos –
e a nau da alma do poeta
fenece como uma flor
coroada de espinhos.”

3 comentários:

  1. Aqui fala o Nilson. Lembra-se do rapaz acompanhado de uma menina, a quem tu abordaste nos portões da UERJ?
    Soou quase como a ironia machadiana eu ter saído daquele recinto tão decepcionante pra mim (e onde eu deveria aprender a usar as palavras a meu favor)para acabar travando um dialogo edificante com um poeta desconhecido.

    Sobre as tuas poesias, meu caro, direi: Me surpreende a tua capacidade de expressar tantas coisas em tão poucas palavras.
    É marca leve de poetas contemporâneos falar pouco. Grandes poetas costumavam exibir uma verborragia assustadora.

    Tens técnica, lirismo, tens conhecimento, mas, antes de tens sentimento.
    O fato é que nosso encontro me proporcionou divagações interessantes, e espero que a você também.
    Verdade é que as tuas letras são " eletistas " tuas influências saltam claras dos teus versos, mas isso não diminui a sensação de proximidade que se experimenta ao depararmos com a tua poesia.

    Tenha um bom dia

    ResponderExcluir
  2. Meu caro poeta!! Vejo um poeta contemporâneo de escritos tao profundos que deixam nossa alma inquieta! Sua poesia reflete seu ser! Queria poder conseguir me expressar oque sinto quando leio seus escritos!! Algo de lindo e simples que arrebata meus sentidos!! Vejo aqui um poeta que sempre buscou o transcendental! O nirvana em seus sentimentos em suas poesias!! Parabéns. Me sinto lisonjeado por ter cruzado seu caminho um dia. Meu caro nobre poeta. Ha uma musica que define bem isso (http://www.youtube.com/watch?v=ujQoUEdXr_8). Um grande abraço meu raro e nobre poeta! Que seus sonhos e desejos se tornem realidades, é meu mais profundo sentimento para ti!!!!

    ResponderExcluir
  3. Um dia desses esbarrei com esse poeta em Barra do Garças ali pelo centro, perto do Mendonça e me senti bem ao conversa com ele, temos algo em comum o amor pelos livros, e a esse jovem poeta deixo meus singelos e sinceros sentimentos... De um leitor a outro leitor e poeta.. Um grande abraço Gláuber Lauria.

    ResponderExcluir